Crise no Serviço de Imigração Americano Ameaça Concessão de Vistos

Crise no serviço de imigração americano ameaça concessão de vistos


Uma falha no orçamento da USCIS (United States Citizenship and Immigration Services), que é a agência americana mais importante relacionada à área de imigração, pode causar sérios impactos para famílias, empresas, empreendedores, investidores e estudantes que buscam vistos para entrada nos Estados Unidos. Segundo informações divulgadas pela AILA, que é a associação dos advogados americanos especializados em serviços de imigração, a USCIS enfrenta um déficit de US$ 1,2 bilhão em suas contas este ano e será obrigada a colocar em licença não remunerada mais de 13.000 funcionários entre agosto e outubro.


O resultado, teme a AILA, é que o afastamento dos funcionários gere prejuízos aos processos de concessão de vistos. Entre eles, aqueles que dão direito ao Green Card, que é o visto de residência permanente para profissionais qualificados e seus familiares.


O impacto das licenças no serviço prestado pelo órgão pode mesmo ser muito grande. Já havia sinais de que o USCIS não estava dando conta do serviço. Mesmo com um aumento de cerca de 4.000 funcionários desde 2016, somando hoje, de acordo com o New York Times, 19.000 pessoas, a agência não tem conseguido manter os prazos de análises e condução dos processos, contando hoje com um grande atraso no julgamento, emissão de documentos e realização de entrevistas.


O USCIS é um serviço público americano e, como todo serviço público (nos EUA ou em qualquer lugar do mundo), tem seus momentos de dificuldade e problemas. Segundo dados disponíveis, cerca de 97% do orçamento da agência (US$ 4.8 bilhões anuais) são oriundos de taxas cobradas pelos vistos e serviços prestados tanto a estrangeiros quanto a americanos que solicitam vistos para terceiros. Já era especulado, desde novembro de 2019, que a USCIS cogitava um aumento no valor de suas taxas, que poderiam subir até 60% para cobrir as despesas.


Não faltam, ainda, especulações estimuladas pelas recentes ações anti-imigratórias do governo americano. Para essa corrente de observadores, a crise da USCIS poderia ser uma jogada política para forçar, de forma indireta, a diminuição do número de imigrantes no país.


O USCIS tinha prazo até o dia 3 de agosto para encontrar uma solução para o problema, incluindo um pedido de verba suplementar enviado ao Congresso dos EUA. Na falta de uma solução, aquela data acaba de ser postergada para o dia 31 de agosto.


A USCIS não se manifestou sobre os efeitos que o afastamento dos funcionários poderá provocar em relação às condições de trabalho e oferta de serviços do órgão, especialmente no que diz respeito à atenção dos prazos de tramitação de processos. E esse é um suspense que afeta seriamente diversas famílias que buscam vistos para unir seus membros, empresas que precisam de mão de obra qualificada, empreendedores que querem investir no país, instituições de ensino e pesquisas que não podem funcionar sem professores e pesquisadores, entre tantos outros setores e categorias profissionais envolvidos.


Crisis in the American Immigration Service Threatens Visas

A budget gap in the USCIS (United States Citizenship and Immigration Services), which is the most important American immigration-related agency, can have serious impacts on families, companies, entrepreneurs, investors and students seeking American visas. According to information released by AILA, the American Immigration Lawyers Association, the USCIS faces a deficit of $ 1.2 billion for this year and will be forced to furlough more than 13,000 employees on unpaid leave among August and October.

AILA fears that the result is that the furlough might damage the U.S visa granting processes. Among them, visas for those who qualify for the Green Card, which is the permanent residence visa for qualified professionals and their families.

The impact on the service provided by the agency can even be very hard. There were already signs that the USCIS was not handling the service. Even with an increase of about 4,000 employees since 2016, according to the New York Times, in a total of 19,000 people, the agency has not been able to maintain the deadlines for analysis and conduct of the processes, experiencing today a long delay in the judgment, document issuance and interviews.

USCIS is an American public service and, like any public service (in the USA or anywhere in the world), has its hardships and problems. According to available data, around 97% of the agency's budget (US $ 4.8 billion annually) comes from fees charged for visas and services provided to both foreigners and Americans applying for visas to third parties. It was already speculated, since November 2019, that USCIS was considering an increase in the value of its fees, which could rise up to 60% to cover expenses.

Together, there is also speculation in the matter, stimulated by the recent anti-immigration actions of the American government. For people who follow this tendency, the USCIS crisis could be a political strategy to indirectly force the decrease in the number of immigrants in the country.

The USCIS had, until August 3, to find a solution for the problem, including a request for additional funding sent to the US Congress. Because there was no solution so far, that date has just been postponed to August 31st.

USCIS has not commented on the effects that the furlough of employees may have in the agency's working conditions and service offerings, especially regarding the immigration process’ deadlines, including for current processing cases. And this is a uncertainty that seriously affects several families that seek visas to unite their members, companies that need qualified labor, entrepreneurs who want to invest in the country, educational and research institutions that cannot work without teachers and researchers, among so many other sectors and professional categories involved.

21 visualizações0 comentário